Conjuntos Anhanguera I e II

        Planta Conjunto Habitacional Anhanguera


Obras Conjunto Habitacional Anhanguera


Entrega Conjunto Habitacional Anhanguera

O conjunto habitacional Anhanguera foi o primeiro a integrar o Programa Municipal de Habitação. Sua implantação aconteceu em etapas distintas, mas o projeto totalizou 275 moradias. O fato motivador do projeto foi a urbanização do bairro e a necessidade de eliminação de um antigo canal, denominado Marizana. Desta forma, as famílias que residiam às margens do canal foram cadastradas e passaram a ser inseridas nas novas unidades habitacionais. A primeira e segunda fase nos anos de 1996 a 1999. Em 2002, deu- se início a terceira fase do projeto e esse montante de moradias foi ocupado por famílias oriundas da área de construção do próprio conjunto, das margens do Canal Acaraú-Mirim, Vila Helena e Alojamentos Provisórios. As unidades foram entregues entre os anos de 2003 e 2004. A quarta etapa do empreendimento veio em função da instalação de rede de alta tensão no bairro Vila Mirim, que necessitava da remoção de nove famílias, cujas moradias estavam localizadas em áreas do bairro embaixo das estruturas.

Conjunto Júlio Couto

O conjunto Júlio Couto foi o segundo empreendimento do Programa Municipal de Habitação a ser construído no município. 68 moradias foram entregues no ano 2000, recebendo famílias oriundas de algumas áreas de intervenção da Prefeitura, como Anhanguera, Favela do Cemitério, Favela Alphaville e Vila Helena (Forte).

Balneário Joia

Entregues em 2004, as casas (126, no total) localizadas no bairro Trevo foram construídas em condomínios de seis unidades, cada um com dois quartos, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e vaga para estacionamento. A prefeitura facilitou ao máximo o pagamento das parcelas, chegando a 300 prestações de R$ 60 Reais. O sistema de pagamento utilizado foi o de concessão de uso, evitando a venda irregular do imóvel. O conjunto atendeu as famílias removidas de área de risco no bairro Solemar, Quietude, Ribeirópolis e também recebeu munícipes que estavam abrigadas nos Alojamentos provisórios da cidade.

Vila Helena

Em 2006, 66 famílias transformaram o sonho em realidade ao receberem as chaves das unidades do Conjunto Residencial Vila Helena, no Boqueirão. O empreendimento permitiu a extinção da Favela Santa Helena, fazendo com que muitos pudessem ter uma casa com acabamento, azulejos, piso e forro. Cada unidade ofereceu dois quartos, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e garagem coletiva.

Vila Tupiry I

O conjunto Vila Tupiry está localizado no bairro Quietude e foi construído para atender as famílias removidas de áreas de intervenção que residiam em alojamentos provisórios construídos pela prefeitura. Diante da impossibilidade de atendimento em outros projetos habitacionais, o Governo Municipal optou por desenvolver uma proposta inovadora, mantendo as famílias no local através da construção de moradias definitivas. Dotado de 64 casas geminadas com um dormitório, sala, cozinha, banheiro e área de serviço, a construção do conjunto habitacional foi possível graças a uma parceria entre prefeitura e Caixa Econômica Federal. As casas foram entregues aos moradores em 2008.

Vila Tupiry II

O empreendimento surgiu com o objetivo de atender famílias cadastradas ao longo da chamada Avenida Perimetral, no bairro da Vila Mirim, que tiveram que ser removidas em função de instalação de rede alta tensão sobre as moradias. O projeto é composto por 9 unidades habitacionais e as obras foram concluídas em 2010.

Palmeiras

A fim de atender as famílias removidas do terreno público no Bairro Esmeralda, a prefeitura iniciou as obras do Conjunto Habitacional Palmeiras, no mesmo bairro. O local de construção escolhido também era ocupado por famílias de baixa renda, que foram integradas ao projeto. O conjunto conta com 80 casas, as obras foram iniciadas durante a administração de Mourão e entregues em 2009. Todas as habitações possuem sala, cozinha, dois quartos, banheiro e área de serviço.

Imperador I

O conjunto foi idealizado para atender as famílias residentes em áreas de intervenção da prefeitura nos bairros Santa Marina, Quietude e Tupiry (Núcleo Caieiras). Muitas dessas famílias possuíam imóveis em áreas de preservação ambiental. O conjunto habitacional possui 200 unidades e fica localizado no bairro Imperador, na divisa com o bairro Melvi.

Imperador II

A construção do Conjunto Imperador II (localizado ao lado do Conjunto Imperador I) atendeu famílias removidas de diversas áreas da Cidade, por conta das obras de infraestrutura urbana, que necessitaram de abertura de ruas, ampliação de vias, implantação de rede de drenagem, entre outras. O projeto possui 48 unidades habitacionais.

Vila Alice

Dentro do trabalho de urbanização do núcleo Mirim, a Administração Municipal definiu a remoção de famílias residentes em moradias que ficaram expostas a riscos de acidentes com a implantação de rede de alta tensão ao longo da chamada Av. Perimetral. O Residencial Vila Alice surgiu para atender a necessidade dessas 29 famílias. As obras tiveram início em 2010 e foram concluídas no final de 2011. A remoção das famílias permitiu melhor aproveitamento do terreno e, consequentemente, uma melhor definição do viário no bairro.

Vila Mirim

O empreendimento teve como objetivo o atendimento de famílias que possuíam suas moradias construídas em áreas de ocupação irregular, notadamente em trechos de vias públicas. O conjunto habitacional totalizou 12 moradias, que foram entregues às famílias em 2009.

Caieiras I

A partir das ações de urbanização do núcleo Caieiras (pavimentação, drenagem, instalação de guias e sarjetas), a Administração Municipal detectou a necessidade de remoção de famílias que ocupavam determinados trechos de ruas. Assim, foram removidas cinco famílias para unidades habitacionais do Residencial Caieiras I, construído em terreno público na entrada do bairro. A entrega das moradias no final de 2008.

Caieiras II

Prosseguindo as ações de melhoria viária no Núcleo Caieiras, a Administração Municipal empreendeu ousada ação de abertura da entrada no núcleo através da remoção de oito famílias que ‘estrangulavam’ o início da Av. São Francisco, principal acesso do local. Com a remoção, o tráfego de automóveis ficou mais seguro, além de permitir manobras a veículos pesados como ônibus e caminhões. As famílias foram instaladas em área contígua onde residiam anteriormente, além de possibilitar a implantação de um excelente projeto urbanístico no local. As oito moradias foram entregues no mês de outubro de 2010.

Residencial DER I, II e III

O Conjunto Residencial DER é composto por três etapas distintas. Na 1ª as obras foram idealizadas para atender as famílias que residiam às margens do antigo Acesso 291/DER, (atual Via Expressa Sul), a maioria era família de antigos funcionários do Departamento de Estradas e Rodagens (DER) que, ao final da obra, permaneceram no local em antigos alojamentos, transformados em residências. Na segunda etapa foram construídas novas moradias, ao lado do projeto inicial, com o objetivo de atender às famílias que residiam em duas áreas de intervenção da Prefeitura, devido as obras de melhorias do sistema viário na Av. dos Trabalhadores, no Bairro Sítio do Campo, e da Av. Ecológica, no bairro Canto do Forte. Essas duas vias públicas eram ocupadas irregularmente por famílias cujas as moradias já apresentavam riscos de desmoronamento. A terceira etapa do conjunto contou com a construção de mais moradias destinadas a atender famílias que possuíam pessoas idosas ou com algum tipo de deficiência. O conjunto conta com 38 casas, contendo sala, cozinha, banheiro, dois quartos, área de serviço e local para garagem.

Conjunto Rio-Mar

Embora composto por apenas três unidades habitacionais, este conjunto representou um grande ganho para as famílias residentes no bairro Esmeralda. As famílias ocupavam área pública destinada para construção de uma escola de educação infantil para atendimento das crianças, e as moradias foram construídas em terreno da municipalidade. As famílias receberam as chaves dos imóveis em 2011.

Conjunto Habitacional Andorinha (160 unidades)

As unidades foram entregues pela CDHU para 160 famílias que viviam em áreas de risco na Serra do Mar, em Cubatão. O empreendimento fica na Rua Treze, 794, no bairro Vila Sônia. Com 46 m² de área construída, os imóveis têm dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e varanda. São dez prédios de quatro andares em um condomínio fechado, com um centro de apoio comunitário, churrasqueira, playground, guarita, estacionamento e tratamento paisagístico.

Conjunto Habitacional Abaeté

O empreendimento possui 160 apartamentos, localizados no Bairro Real, e todos os moradores foram contemplados no sorteio do cadastro habitacional em 2010. Todas as unidades foram especialmente construídas para servidores municipais, e 7% das vagas foram reservadas a trabalhadores com deficiência ou que morem com alguém com necessidades especiais.

Conjunto Residencial Vila Sônia

O projeto, idealizado por Mourão, foi direcionado a 160 famílias de Cubatão, que residiam no bairro Cota em situação de risco, através do programa Serra do Mar. São dez prédios com 16 apartamentos e cada um possui dois quartos, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e área de lazer com playground e churrasqueira. A entrega aconteceu em 2010. O empreendimento fica no Bairro Real.

Conjunto Habitacional Topázio

Entregue em 2005, o conjunto foi a realização de um sonho para 160 famílias do bairro Quietude, que foram contempladas com residências equipadas com sala, cozinha, dois quartos, banheiro e área de serviço. Os edifícios possuem central de gás e playground.

Conjunto Habitacional Safira

Assim como o Topázio, o conjunto Safira foi construído em parceria com a Caixa Econômica Federal, possibilitando a 160 famílias pagarem pelo apartamento em prestações pequenas, dentro do orçamento familiar.

Conjunto Residencial Gaivota

A prefeitura de Praia Grande convocou em 2005 famílias cadastradas no PAR (Plano de Arrendamento Residencial), para o sorteio de 160 apartamentos do Conjunto Residencial Gaivotas, localizado na Rua 13, s/nº, loteamento Vila Sônia, no Bairro Antártica. As unidades foram distribuídas em dez edifícios. Os apartamentos, de 45 m² de área útil, têm dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço.