Merenda escolar-  mais qualidade na alimentação

A Administração de Praia Grande ressalta a importância da merenda no desempenho dos jovens e crianças no ambiente escolar. Desde a primeira gestão, Mourão sempre se mostrou preocupado com a qualidade da alimentação oferecida nas unidades da cidade.

Na década de 80, quando secretário de educação, Mourão constatou que a estrutura de merenda imperava o caos. Não havia controle de distribuição e existia a responsabilidade pelos 27 colégios do Estado. Não havia geladeira, os fogões estavam quebrados. Também não havia dinheiro, mas Mourão foi em busca do Estado. Fez uma radiografia de colégio por colégio, e levou a lista detalhada, desde colher até freezer. Foi quando conseguiu os itens: no total sete caminhões, repleto de utensílios para elaboração das merendas nas escolas. Sem caminhões para trazer os produtos, a solução foi a parceria com empresários que emprestaram os veículos.

Depois disso, Mourão e sua equipe desenvolveram o primeiro software de gestão de merenda escolar, para quantificar quanto cada colégio tinha que receber de mercadoria.

Hoje, ainda com a certeza de que o aluno bem alimentado, com os nutrientes necessários tem um rendimento escolar melhor, Praia Grande inovou. As crianças do Ensino Fundamental abandonaram a velha colher de plástico e passaram a comer com garfo e faca. O sistema self-service também foi pioneiro na cidade. Funcionando desde 2005, facilitou e possibilitou que as crianças escolhessem o que comer, acabando com o desperdício de alimentos. Com o sistema, os alunos podem repetir o quanto quiserem e para manter a comida aquecida, foram instalados balcões térmicos em todas as unidades escolares.

Atualmente, todos os dias, a prefeitura serve mais de 130 mil refeições para os alunos matriculados nas escolas municipais e estaduais de Praia Grande. Os cardápios são nutritivos e balanceados, para auxiliar no desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Para garantir não apenas a quantidade, mas sim a qualidade dos alimentos servidos, a Divisão de Alimentação Escolar conta com um corpo técnico formado por nutricionistas e técnicas em nutrição. O grupo, responsável pela montagem do cardápio, visita as escolas frequentemente para acompanhar e dar suporte aos serventes I e II (merendeiros e auxiliares de merenda).

Os servidores que atuam nas cozinhas escolares recebem treinamento básico assim que assumem a função. Orientações sobre higiene e manipulação de alimentos também são passadas durante as visitas.

Além disso, o setor realiza de três a quatro capacitações por ano, com temas específicos. As crianças que frequentam as creches têm cinco refeições diárias (café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde e janta). As que frequentam creche no período semi-integral contam com três refeições.

Alimentação aprovada por nutricionistas

As crianças que estudam apenas quatro horas diárias recebem alimentação de acordo com as recomendações do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que determina o suprimento de 20% das necessidades diárias. Assim, recebem refeição salgada (arroz, feijão, carne e legumes) três vezes por semana e comida doce (leite, biscoitos e frutas) duas vezes.