Mourão transforma Praia Grande em polo de investimento

Na década de 90, a cidade de Praia Grande era considerada o pior lugar da Baixada Santista para alguém visitar. O município até conseguia ser manchetes de jornais, mas sempre por motivos negativos, como o esgoto que corria a céu aberto e o lixo espalhado pelas ruas. Muitos moradores tinham vergonha de falar que residiam no na cidade.

Entrada de Praia Grande, 1996

Quando Alberto Mourão assumiu a Prefeitura, em 1993, muitos perguntavam como ele tinha coragem de governar uma cidade que estava em estado de calamidade. A resposta de Mourão nem sempre era justificada com palavras, mas sempre com atitudes. Mourão não passava a maior parte do tempo olhando para o problema, mas sim para a solução. E para resolver a falta de desenvolvimento econômico da Cidade, ele sabia que só tinha uma alternativa: reativar o turismo.

Praias totalmente poluídas,  em 1993

Em 1993, Mourão sabia que falta de segurança, serviço emergencial de saúde, coleta regular de lixo e programações culturais, eram apenas alguns dos problemas a serem enfrentados pela Administração. Contudo, o prefeito recém eleito trazia um diferencial em sua atuação como político. Ele não carregava consigo o conformismo diante de determinadas situações, sua mente inquieta e observadora permitia que ele pensasse à frente de muitos outros políticos. Para o então prefeito, a revolução da sociedade da informação e do conhecimento, que mudou radicalmente a forma de relacionamento entre pessoas, empresas e governos, impõe novos paradigmas para gestão governamental.

Alberto Mourão visita Orla para urbanização 

Enquanto muitos governantes acreditavam que o Porto de Santos era uma solução financeira para região, Mourão sabia que a economia de cada cidade deveria ter vida própria, pois a reorganização sistemática e racional de produtos estava se tornando um elemento essencial do desenvolvimento econômico. Sendo assim, a inovação e a acumulação de capital, fatores ligados aos empresários, responsáveis por movimentar os elementos estratégicos de uma cidade, por exemplo, dependiam das condições criadas pelo governo.

Orla da Praia, 2020

Quando um município apresenta infraestrutura pouco desenvolvida, os produtos e serviços podem encarecer, e as empresas não conseguem se estabelecer e se desenvolver adequadamente. Com isso, o ciclo econômico do Município é afetado negativamente, prejudicando toda a cidade. Investir nos serviços de infraestrutura atrai empresas e capital humano, aumentando a produtividade, proporcionando crescimento econômico.

Todas as estratégias de Alberto Mourão eram pensadas de forma sistêmica, integrando assim diversas áreas. O ponto de partida do chefe do Executivo era a localização geográfica da Cidade. Por estar em um eixo central da Baixada Santista, Mourão sabia que poderia resgatar o respeito que a Cidade merecia. Entendendo o importante papel que a estabilidade econômica representava para os investidores, Mourão começou a colocar seus planos em prática.

Com um planejamento urbano para revitalizar a orla da praia em mãos, mas sem dinheiro, Mourão conhecia bem a atitude que precisava ser tomada. Em uma reunião, com diversos empresários, ele mostrou o quanto o turismo podia mudar a realidade da cidade. Historicamente, o turismo já ajudou países da Europa, como Portugal e Espanha, a enfrentarem crises econômicas. Além disso, ele demostrou como diversas cidades construíram suas histórias e conseguiram atrair turistas. Vejam o caso da troca de guardas no palácio de Buckingham, um gesto que é feito diariamente, virou uma atração turística, rendendo milhares de euros para os cofres ingleses. Com essa demonstração, Alberto Mourão conseguiu apoio de diversos empresários para patrocinar a reurbanização da Orla.

Mourão sempre acreditou que o turismo era a principal força para geração de emprego e renda, possibilitando a retomada da economia. O prefeito sempre viu os empregos que um imóvel de veraneio, por exemplo, pode oferecer. Um prédio precisa de porteiro, eletricista, encanador, faxineiro; isso sem contar os empregados que trabalham para administradora daquele edifício. Paralelo a isso, o turista que vai para uma cidade frequenta estabelecimentos como padaria, farmácia, restaurantes, mercados, pousadas, entre outros locais.

Sempre à frente de seu tempo, desde o início de sua gestão, Mourão também enxergava na construção civil uma excelente oportunidade para geração de emprego. Quanto mais construções de veraneio Praia Grande tivesse, mais oportunidades de empregos seriam geradas. Uma das provas de que o raciocínio de Alberto Mourão estava correto é que segundo o jornal Estadão, em 2019, a construção civil representou 6,7 milhões de postos de trabalho. Isso era o equivalente a 7,3% de todos os empregos no Brasil. Ou seja, de cada 14 pessoas empregadas, uma trabalha na construção civil. Desde que Mourão está no comando da Prefeitura, o número de imóveis de veraneio aumentou mais de 100%.

O tempo mostrou que Alberto Mourão tinha conhecimento de causa. Apesar de tantos obstáculos, o chefe do Executivo mostrou realmente que estava mais do que capacitado para continuar mudando a realidade de Praia Grande.

Desistir nunca foi uma palavra que fez parte do meu vocabulário.

Alberto Mourão

Os anos subsequentes foram desafiadores, pois o crescimento demográfico chegou a 6% ao ano. No período de 2005 até 2008, durante o segundo mandato do prefeito Alberto Mourão, esse desenvolvimento acentuou-se, com a realização de novas ações e obras. Com isso a imagem de Praia Grande, tanto comercial como turística, foi alterada, atraindo empresas e construtoras que já  procuram a Cidade para investir, criando novos postos de trabalho. O que forma um ciclo positivo e faz Praia Grande crescer ainda mais.

Obras importantes foram concluídas e outras iniciadas, como a urbanização da orla da praia e a construção da Via Expressa Sul, onde se localiza o Acesso 291 da SP – 55. Grandes investimentos foram feitos na área de infraestrutura, com a realização de pavimentação e drenagem de ruas.

Com a conclusão do projeto piloto, a admiração pela bela estrutura que se formava naquele trecho da orla era inevitável, e o investimento de outros empresários também: vários deles passaram a procurar a prefeitura para se oferecer como patrocinadores.

Dessa forma se concluiu a reurbanização dos 22,5 km de orla da praia, renovando a cara da cidade e a autoestima dos moradores, atraindo turistas e empresas, alavancando a economia, proporcionando a implantação de muitos outros projetos e consequentemente o crescimento de Praia Grande.

Sempre visionário, Mourão foi além das expectativas, conseguindo trazer para o Município o segundo maior shopping do Brasil, o Litoral Plaza Shopping. Com mais de 350 lojas, o empreendimento gera cerca de 4 mil empregos. O Atacadista Mackro também faz parte do grupo de empresas que estão instaladas no município. Para incentivar os grandes investimentos em Praia Grande, Mourão sancionou um lei que permitiu a isenção do imposto territorial por um tempo determinado.

De uma cidade desacreditada, Alberto Mourão conseguiu colocar Praia Grande entre os quatro destinos mais visitados do Brasil. Mas antes de toda essa metamorfose, o prefeito teve muito enfrentamento para retirar: barracas de praia feitas de madeira, mais de 200 córregos que levavam o esgoto da cidade em direção ao mar, construções irregulares em área de preservação ambiental, estacionamentos irregulares e tantas outras coisas que afastavam o turista da Cidade.

Para chegar à bela paisagem que vemos hoje, foi implantado um projeto de reurbanização que se iniciou a partir da aprovação da Lei Municipal 793, em 11 de Janeiro de 1993, que disciplina a circulação e estacionamento de ônibus de excursão provindos de outros municípios. A partir daí se iniciou uma campanha de conscientização para que moradores e turistas contribuíssem com a limpeza das praias.

Outras mudanças que impactaram a cidade foram as obras de captação das águas pluviais, eliminando os córregos nas praias; a pavimentação da orla, retiraram as barracas, que deram lugar aos quiosques padronizados feitos de alvenaria; o asfaltamento da Avenida Presidente Castelo Branco e a construção de um calçadão com equipamentos de lazer, segurança, escola de esportes, lojas de conveniência e a primeira ciclovia da cidade, que compreende os 22,5km de extensão das praias.

Investir nos serviços de infraestrutura atrai empresas e capital humano, aumentando a produtividade, implicando no crescimento econômico. Neste período finalizaram as obras da Via Expressa Sul, totalizando 10 km de estrada, e iniciado novo projeto de revitalização da Avenida presidente Kennedy, que totaliza 21,5 km.

Também foi realizada, parcialmente, a urbanização do Núcleo Caierias, no Bairro Tupiry, onde além da drenagem e pavimentação, a Prefeitura também vem executando a instalação da rede de esgoto. O projeto abrange 50 ruas (14 quilômetros) e já beneficia 10 mil pessoas. Foram executados 60, 3 km de pavimentação, beneficiando os bairros Tupiry (Caieiras) Melvi, Samambaia, Ribeirópolis, Melvi e Nova Mirim, onde residem, no total, cerca de 60 mil pessoas.

Todos os setores foram beneficiados, graças ao olhar visionário de Alberto Mourão, que enxergou no Turismo o caminho para enaltecer Praia Grande, aquecendo a economia local.