Inicia neste dia 21 de agosto a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla

Que tem como objetivo conscientizar a sociedade sobre a importância de práticas inclusivas e de respeito às diferenças, os direitos de cidadania e inclusão social.
Em Praia Grande o carinho e respeito por pessoas com deficiência estão em todos os detalhes, da estrutura ao cuidado. Das escolas de educação especial e de inclusão, da acessibilidade em vias e equipamentos públicos e do trabalho social.
Foi uma grande luta e mantivemos em Praia Grande, as Escolas Municipais de Educação Especial, EM Anahy Navarro Trovão e EM Sérgio Vieira de Mello, que atendem centenas de alunos de diversas idades; além do Centro Sócio Terapêutico Antonio Tavares de Santana.
Tenho tanto carinho pelos alunos da escolas municipais, que antes desta pandemia meus aniversários eram comemorados com eles, que sempre preparavam uma surpresa muito gostosa pra mim: cartões, apresentações, entrevistas e muitos abraços.
Na Educação Inclusiva temos aproximadamente 1500 alunos matriculados no ensino regular com atendimento de profissionais qualificados, onde é assegurado também um Plano de Ensino Individualizado (PEI), que orienta o trabalho dos professores e contribuições da família visando o desenvolvimento do aluno.
Além dos professores do ensino regular, os alunos PAEE recebem também atendimento de docente especialista no contraturno da sala comum, em um dos 19 polos de Atendimento Educacional Especializado (AEE).
Além do(s) professores do ensino regular, os alunos PAEE (Público-alvo da Educação Especial (PAEE)) recebem também atendimento de docente especialista no contraturno da sala comum, em um dos 19 polos de Atendimento Educacional Especializado (AEE). Entre esses polos, estão sala especializada no atendimento de alunos com deficiência visual, destinada à aquisição da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) para alunos surdos e uma que objetiva o ensino da Língua Portuguesa para alunos com deficiência auditiva, uma vez que as duas línguas (Portuguesa e LIBRAS) diferem em termos estruturais. As outras salas são destinadas ao atendimento de alunos com outras deficiências como Intelectual, Transtorno do Espectro Autista, Deficiência Física e Múltipla. Atualmente, o próprio site da Prefeitura possui componentes de acessibilidade para pessoas com deficiência auditiva.
A Residência Inclusiva acolhe pessoas com deficiência que não têm apoio de familiares, seja por abandono ou falecimento dos antigos protetores, e dependem da ajuda para as atividades do dia a dia, como se alimentar, tomar banho e trocar de roupa. O serviço é para casos específicos e não funciona como centro de reabilitação ou hospital. O local conta com equipe especializada com metodologia adequada para prestar atendimento personalizado e qualificado, proporcionando cuidado e atenção às necessidades individuais e coletivas dos atendidos.
Além disso, a política municipal de mobilidade urbana prioriza o deslocamento ativo e tem como uma das diretrizes principais a acessibilidade, que já vem sendo implantada nas vias estruturantes e centros comerciais. É cada vez mais comum andar pela cidade e ver os pisos tátil e rampas de acesso nas calçadas.
Pensar sempre no próximo, ter empatia e promover o acesso, igualdade, equidade, oportunidade e justiça. Assim, encero com uma frase oportuna de John F. Kennedy: “Lutar pelos direitos dos deficientes é uma forma de superar as nossas próprias deficiências”.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *